09 outubro 2007

Ilustrando nada

Fiz este desenho e gostei. Não é para ser engraçado, nem para levantar questionamentos, enfim, não é sobre nada em particular a não ser ele mesmo. Existe apenas dentro de seus próprios parâmetros. É praticamente arte contemporânea.

3 comentários:

Luiz Augusto disse...

Ficou doido! Mas achei q levanta reflexões sim: a pessoa em busca do lugar de sua arte, o martelo desmontado demonstrando as dificuldades enfrentadas, os revéses e os contratempos (modernos). O erro na altura do prego indicando que deverão haver outras tentativas até encontrar a altura correta. O quadro em branco expressando a grande dúvida e mistério em relação a seu significado, será um espelho que nada reflete(?), expressará o vazio e a solidão do artista(?), compartilhados pelo colecionador, que o apreciou e decidiu colocá-lo em sua parede(?). A intensidade do movimento do braço, denotando pressa e paixão, e sugerindo dedos inchados ao final do processo. A toca do rato indicando que por trás da parede rachada e velha existe um ser escondido, esperto e sempre faminto.

Vc diz q o desenho existe apenas de seus próprios parâmetros, mas que parâmetros são esses? Mesmo se vc definí-los, outras pessoas enxergarão outros parâmetros, como eu fiz. Por que vc acha q esse desenho não pode significar nada? Eu vejo comédia e tragédia nesse desenho, vejo realidade e paródia, muita coisa interessante. Tanto que viajei pá carái, e o fato de vc querer colocar tantas limitações ao desenho na verdade funcionou como um desafio e um convite a procurar significados nele.

FEITOOO!!

Ah, foi mal q não fui na vernissage ontem... Mas hoje eu vou passar lá!

raquel alberti disse...

uau... eu não viajei tão longe como o luiz, mas curti pra caramba (o desenho e o delírio)!!!

Fabio disse...

eu entitularia a obra "o artista com um braço saindo das costas"