06 março 2008

Saldo do Show


Melhor show em Porto Alegre em 15 anos (sem contar shows de bandas cover de Kinks)
Ítens perdidos: Uma bandana e um celular
Ítens encontrados: Três celulares, três carteiras, duas carteiras de identidade e um molho de chaves (tudo devidamente encaminhado aos seguranças do evento que prometeram entregar ao achados e perdidos, mas hoje eu liguei para o achados e perdidos e eles disseram que não tem nenhum celular lá.... sei lá....)
Contato físico humano: me esfreguei em 15 mil pessoas suadas e fedidas. Levei uma cabeçada no queixo (quem me fez morder a bochecha e ficar sangrando durante o show), fora os incontáveis empurrões, cotovelaços, pisões no pé e a mãozada na cabeça que fez a minha bandana voar (me senti de novo no Bongô, mas com música melhor).
Saldo: Algo que nunca mais vai acontecer de novo na minha vida, tô velho demais pra isso. Show grande, agora, só de arquibancada. Só fiquei chateado com o celular. Ah, e a Lauren Harris é gostosa.

8 comentários:

Diogo disse...

putz, a gente foi no mesmo bongô?? lá não tinha essas coisas que tu falou... bandana.

Diogo disse...

ah, e sobre a Lauren Harris:

"bring your daughter, bring your daughter..."

Anônimo disse...

...o tempora, o mores...

Vinicius disse...

Meu saldo do show:
- Absurdamente cheio, ainda mais que tinha um monte de cabeludo suado o que tornou mais desagradável a situação. Ficou bala de olhar aquela manada de gente fazendo o Malocchio, mas ficar lá no meio foi foda.

- Não tocaram várias músicas que eu queria ouvir, como Holy Smoke e The Evil That Men do. Ou seja, nunca vou ver o Iron tocar essas músicas ao vivo...

- Agora ouvir uma banda na formação "original" é outra coisa. Não foi aquela farsa do Deep Purple, ou como vai ser a farsa do Doors.

- Agora pra botar fogo no blog: NOFX foi melhor! Não tava tão cheio, a galera se emocionou mais e os punk são mais parceria que os metaleiro.

- Saldo final: foi do caralho!

Vinicius disse...

Opa:

"Era óbvio que teríamos um bis. Aclamada pelo público, a banda não demora a retornar para um “chorinho” – e com a confirmação dos boatos que vinham circulando já há algum tempo: sim, eles retornam ao Brasil em 2009. “Sabemos que muita gente não pôde comprar seus ingressos para esta noite. Por isso, vamos voltar daqui a 1 ano para um show maior, com mais fogos, explosões e luzes”, anunciou Bruce, para uma explosão de alegria da galera."

Fonte: Whiplash

Luiz Augusto disse...

MAZÁH! O show foi DUCARÁI DEMAISSSS! Mas falar isso de um show do Iron Maiden é pleonasmo!

Meu saldo: cheguei exatamente 19:40 no Gigantinho (que diga-se de passagem, devia chamar Pequenininho), entrei na tranquilidade, comprei uma ceva e achei o Aleja no meio da multidão, ainda de bandana e muito bem acompanhado. Estavamos rentes ao centro do palco mas bem atrás, perto da mesa de som. Encontrei com ele na hora certa, pq apagaram as luzes às 20:00 e começou a Lauren Harris, horrível, mas valeu pelos comentários machistas que causou. 20:30 (graças a Deus) acabou o show da moça. Meia horinha depois as luzes começam a oscilar, entra um metal q nunca tinha ouvido na vida, galera vai a loucura mas era só fanfarronice dos organizadores. Depois dessa música sim, apagaram as luzes, passaram um vídeo do Maiden no telão, q emendou com o discurso do Winston Churchill, daê o Iron entrou tocando Aces High. O objetivo era chegar na grade, nas primeiras 3 músicas eu já tava a menos de 10 metros, haja cabeçada e cotovelada. Galera pulando (início de show é quando a galera mais pula) fica mais fácil de "deslocar". Os últimos 5 metros até a grade demoraram uns 40 minutos, aí é briga por cada centímetro, sempre cantando as músicas com a banda e gritando pá carái. Um pouco depois da metade do show era eu com o peito grudado na grade e o palco a 1 metro de distância, show praticamente particular hehe, e espaço de sobra pra fazer HEADBENNNZI!!!! Final de show, fico eu lá na frente tentando pegar uma baqueta ou qq coisa da banda, mas não jogam nada perto de mim. Então fiquei lá depois das luzes acesas só gritando com os roadies. Os seguranças fdps (locais) vendendo palheta a 20 pila (e isso é pq eles compram palheta do Iron em loja de música e vendem na hora pra nego juvenil) e um segurança vendendo uma baqueta, essa sim usada no show, por 100 pila. Nego com 50 pila na mão e ele: Não, quero 100 pila. Q fdp! Como eu não planejava pagar por nada, continuei gritando pros roadies em cima do palco, em inglês, visando os roadies da banda mesmo. Consegui conversar com um, reclamei do segurança fdp vendendo baqueta, mas não deu em nada. Depois um outro, q eu sempre gritava na hora q ele passava (cara óbvia de gringo), olhou pra mim e consegui falar pra ele do segurança tb, acho q ele disse algo do estilo, "problema seu". Mas eis que esse mesmo cara volta logo depois, vem bem na minha frente, de cima do palco, e me joga um negócio. Nem acreditei, ducarái demais! Munhequeira do Steve Harris!!!!!! METALLLLL!!! Aí agradeci o cara gritando q nem louco e saí pulando Gigantinho a fora. Encontrei do lado de fora com o Vinicius Fanfarrão e fomos até o centro a pé trocando a mó idéia, depois ele ainda me levou em casa. Infelizmente não rolou bebedeira (só 1 latão), mas tá anotado já.

Nota: não sei ser sucinto.

IRON MAIDEN COMANDA!!!

Anônimo disse...

nossaa!! so imagino como vai ser o show deles aqui na suiça... fico ate com pena...da banda!!

Anna

Vinicius disse...

Ah, eu também vou contar minha história do show também então... Sai do campus do Vale às 18:30 e fui direto deixar a caranga na casa da Thais. Desci correndo pro Zaffari pra sacar os 300 pila, prevendo o pior já, pra comprar o ingresso na hora. Ainda passei no Boka Loka e tomei uma Serramalte de 600 ml em tempo recorde (tipo uns 5 minutos). Peguei o busão e chegando no Pequenininho encontrei o Thiago com um magrão que queria vender o ingresso dele. 190 pila. Compramos um latão e ainda fomos no portão confirmar se o ingresso era verdadeiro. Era. Aí fomos numa barzito, eu e o Thiago, e metemos três Brahma Extra de 600 ml. Quando ouvi a gritaria, entrei no show. Abarrotado de gente. Consegui ainda me meter uns vinte metros pro lado e consegui ver o palco. Daí fiquei parado mesmo, só curtindo, porque a movimentação era impossível. Ao final, encontrei o Mineiro Fanfarrão e ainda deu pra tomar mais um latão na caminhada de volta. Ai, ai. Se ano que vem eles vierem, eu vou.