15 janeiro 2008

Bibliaris Cientificarum Revisatus

Um assunto que aflige a humanidade desde tempos imemoráveis é a vida após a morte. O Além existe? Talvez, mas deve ficar longe pra caramba e eu só iria lá se fosse barato e tivesse carona pra voltar pra casa depois. A existência de algo mais além desta vida sempre foi uma unanimidade entre a humanidade e também entre os melros, mas de uns séculos para cá, surgiu o pensamento ateísta, defendido principalmente pelos cientistas, que, como um parente chato, insistem em sempre ter razão. Não existe Deus, não existe vida após a morte, não existem gnomos... Mesmo a existência de coisas bastante plausíveis como os famosos unicornios rosas comedores de McDonald’s dos subterrâneos de Vênus são rechaçadas pelo argumento de que a sua existência não pode ser comprovada usando o método científico.

Abrindo um parênteses, os cientistas argumentam que a cena de unicórnios comendo Mc Donald’s nos subterrâneos de Vênus seria um tanto improvável, já que os pobre seres monochifrudos não teriam onde guardar dinheiro, portanto não poderiam pagar os preços abusivos cobrados na lancheria. “Se eles ainda comessem no Xis da esquina, dava pra engolir, pois há vantagens evolutivas nisso, mas no McDonald’s, nem pensar”, disse Darwin ao parapsicólogo enviado especial de Contratempos Modernos.

Respondendo a esse questionamento fundamental, o grande estudioso E. Guimarães teve uma revelação teológica que não foi aceita pelos cientistas, embora se mostre bastante lógica e um tanto brega: Os Unicórnios podem pagar pelos seus lanches, já que eles usam pochetes onde guardam o dinheiro. O ponto da discórdia com a maioria dos cientistas é que o grande filósofo teve a sua revelação a respeito das pochetes durante um porre de Marula com Absinto e não tem nenhuma prova de que sua revelação seja verdadeira. Desde então é atribuída a esse grande estudioso a célebre frase: “Também, ceva a vinte pila!” Mesmo assim, o número de seguidores da seita dos Unicórnios Venusianos aumentou em mais de 100% desde a última década, calculando-se que sejam no número de 3.

Voltando então à questão bíblica que não tinha sido anunciada ainda, o Vaticano liberou hoje uma nota que confirma os rumores de que no início de 2007 contratou um grupo de cientistas para revisar a Bíblia e transformá-la em algo mais “cientificamente correto”. O projeto teria sido cancelado quando o Papa foi conferir uma pequena prova do resultado e repetiu um dito latino atribuido ao apóstolo Pedro quando os romanos chegaram para capturar Jesus: “Putae que parius, agorae fudeus”, que em bom português significa, “Isto está errado, irmãos de fé”.

Mas a questão é muito mais profunda do que a reação do Papa. Do princípio até o final dos trabalhos, houve uma discordância generalizada entre o Vaticano e os cientistas, entre os próprios cientistas, entre os próprios bispos e entre os ursos e salmões do Alasca . Já nessa pequena prova que foi levada ao conhecimento do Papa, a Bíblia foi resumida a 50 páginas e começava com um abstract. Muitas histórias e fábulas foram substituídas por episódios de Baywatch e Jornada nas Estrelas e um ponto de grande discordância (inclusive gerando um racha entre os cientistas) era se havia orks na arca de Noé. As facções de cientistas começaram a se atacar. Os anti-orks acusavam os pró-orks de anti-darwinismo, enquanto estes tocavam bolinhas de papel nos adversários. Também se formou o grupo dos pró-orks-cristãos, que promovia o pensamento da existência pacífica entre ursos e salmões e utilizava o slogan: “Urso ama salmão! Corinthians na segunda divisão!” Este grupo foi o responsável pela supressão das Cartas aos Corintios e a substituição dessas por uma longa risada.

Muitos outros pontos de divergência surgiram ao longo do trabalho, o que tornou essa empreitada impossível para ambas as partes e portanto cancelada por tempo indeterminado, ou até o juizo final, o que acontecer primeiro. O estopim para a ordem papal de cancelamento do projeto teria sido, de acordo com os boatos, a substituição da palavra “Deus”, por “Darth Vader” ao longo do texto.

Parece que o único assunto entre os cientistas e os bispos que realmente se desenvolveu sem ofensas pessoais foram as dicas de sexo, pois o sonho de todo cientista é ter a vida sexual tão ativa quanto a de um bispo.

8 comentários:

Anônimo disse...

Não entendi. Ah, só entendi a parte do filósofo sobre a pochete.

thi.martini disse...

Mesmo com as pochetes cheias de dinheiro, os unicórnios cor de rosa são incapazes de contar as moedas e notas de dinheiro com seus cascos fúcsia, logo eles não podem comer no mcdonalds. A não ser que algum gnomo que esteja na fila também, a espera do seu mclanche feliz, os ajude...acho que é mais provável que seja isso o que ocorre nos subterrâneos de vênus quando bate a fome nos seus habitantes.

Anônimo disse...

Tá louco, ter a vida sexual tão ativa qto a de um bispo!!!
Faltariam imberbes para saciar as hordas famintas que se reunem em congressos científicos.

Luiz Augusto disse...

HAUHAUHAUHAUAH!!!
GENIAL!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Texto "a la Douglas Adams"!!! Ficou ducarái demais!!!

PASSEI MAL DE RIR! Pra mim, o ponto alto foi:
"...a substituição da palavra “Deus”, por “Darth Vader”..."

É engraçado pá carái, mas acho q tb deveriamos começar a pensar nisso seriamente!!! HEHEHE!

Diogo disse...

dãã todo mundo sabe que os orcs "eram elfos antigamente. Tomados pelas forças do mal, foram torturados e mutilados, transformando-se no que são hoje, uma forma de vida arruinada e terrível." - Saruman (ano 3019 da terceira era). Portanto, a pergunta factual que realmente de fato importa é: os elfos estavam presentes na arca??

raquel alberti disse...

nao existem gnomos???

goblin disse...

I beg your pardon?

goblin disse...

What do you mean, Rachel?