18 agosto 2007

"A story of a ballerina and a clown"

Acho que foi com o Luiz que eu comentei essa cena de "Luzes da Ribalta". Esse é com certeza um dos meus filmes favoritos e tem essa cena que é um dos grandes momentos do cinema: O encontro de Charles Chaplin e Buster Keaton (dois dos maiores, senão os dois maiores comediantes da história do cinema).

Por mais que seja um filme do Chaplin, esse é com certeza um dos filmes mais tristes que eu já vi. É a história de uma bailarina principiante e um palhaço em decadência que moram no mesmo prédio e que se tornam muito importantes um para o outro depois que ele salva ela de uma tentativa de suicídio. É estranho, porquê (propositalmente) todos os números "cômicos" que o personagem do Chaplin faz no filme são deprimentes, com exceção deste último, que é a última chance que o palhaço tem de talvez conseguir voltar a ter sucesso.

Neste momento, cabe fazer um paralelo com a carreira do Buster Keaton. A pequena participação dele neste filme é mais ou menos o que estava acontecendo com o personagem de Chaplin no filme. Na época, Keaton era um astro decadente, que como muitos outros (Harold Lloyd, por exemplo) não conseguiu se adaptar ao cinema falado e seus filme não fizeram mais o sucesso que faziam antes, então eles foram parando de atuar até se aposentarem e cairem no esquecimento do grande público. Então Chaplin o resgatou e deu a ele mais uma chance de o público poder vê-lo em ação. Parabéns para ele! Essa escolha criou esse momento maravilhos!

Outro filme que Buster Keaton faz uma aparição relâmpago é "O Crepúsculo dos Deuses". Esse filme tem como pano de fundo o mundo dos grandes atores do cinema mudo que não conseguiram repetir o sucesso no cinema falado e vivem do passado. Puts, esse filme é bom pra caramba! Tem que ver! A personagem principal desse filme é interpretada pela Gloria Swanson, que também era uma atriz do cinema mudo que não conseguiu continuar fazendo sucesso no cinema falado e teve a carreira resgatada com esse filme.

Para quem, como eu, acha muito doida essa passagem do cinema mudo para o falado. Fica sempre a sugestão de "Cantando na Chuva". O filme trata exatamente dessa transição, com muito bom humor dando uma idéia muito boa sobre as dificuldades dessa época.

Bom, como diria a Norma Desmond, personagem da Gloria Swanson em "Crepúsculo dos Deuses": "We didn't need dialogue. We had faces!"

Partiu, então?

Já é.

6 comentários:

Anônimo disse...

00
__

fãzoca chapliniana disse...

..e como disse Calvero, só o que precisamos é "coragem e imaginação".

Luiz Augusto disse...

Pô, eu não sei nada de cinema mudo... Acho q nunca vi nem um filme inteiro do Chaplin... :/... O máximo q vi foi um filme sobre ele, com o Robert Downey Jr., muito bom! HEHE!

A sua influência ao trazer esses trechos de filmes antigos e comentários interessantes está sendo muito positiva para meu histórico "cinefilálico"! :)

cinéfilo disse...

Notinha para o Luiz Augusto:"Luzes da Ribalta"(Limelight) é de 1952, mas só foi exibido nos USA em 1972. Isto permitiu que o filme recebesse indicação (e ganhasse) o Oscar de "Best Original Score" em 1973. A música é de Charles Chaplin, Ray Rasch e Larry Russell.

Luiz Augusto disse...

Brigadão Glenda!!! :-)

raquel alberti disse...

eu achei sem graça logo que começei a assistir. pura falta de hábito de ver esses filmes, claro. depois curti!